Pages Menu
Categories Menu

Posted on 7 Sep, 2016 in Diocese, Noticias da diocese, Slide

Mons. Shomali: “A vida da Madre Teresa e a sua confiança em Deus são mais importantes do que o milagre da cura do engenheiro brasileiro

Mons. Shomali: “A vida da Madre Teresa e a sua confiança em Deus são mais importantes do que o milagre da cura do engenheiro brasileiro

 

URTAS – No domingo, 5 de setembro, por ocasião da festa de “Nossa Senhora do Jardim Murado”, Mons. William Shomali, Vigário Patriarcal na Palestina e Jerusalém, presidiu a uma missa no Convento Hortus Conclusos na aldeia de Urtas a sudoeste de Jerusalém.

ortasFrei George Da’boud, capelão do convento, concelebrou a missa na presença dos padres, dos diáconos das irmãs do Convento e de religiosos vindos para esta ocasião, assim como de seminaristas do Patriarcado latino e de fiéis.

Na sua homilia, Mons. Shomali evocou a vida de Madre Teresa, canonizada este domingo.  

“É verdade que a Igreja Católica canonizou Maria Teresa depois da sua morte, mas as pessoas já a consideravam santa ainda durante a sua vida”. E a sua santidade não era apenas “reconhecida” pelos fiéis católicos, mas por o mundo inteiro”. Lembrando a sua missão e as suas numerosas realizações, o Vigário patriarcal sublinhou como a vida da Santa era centrada na atenção dada às crianças abandonadas, às pessoas de idade ou deficientes, às prostitutas: “A sua militância pelo direito da criança a nascer e tudo o que a religiosa realizou na sua vida é bem mais importante do que o milagre da cura do engenheiro brasileiro que sofria de tumores no cérebro”

Em seguida, fez a ligação entre dois pensamentos dos muitos e que exprimem perfeitamente o que a Santa vivia e que, hoje, fazem dela também um guia espiritual para tantas pessoas.

“O que vive sem dar, simplesmente não vive.”

Nenhum de nós, eu própria inclusive, nunca faz grandes coisas. Mas todos nós podemos fazer coisas com muito amor e, todos juntos, podemos fazer algo de maravilhoso”

No fim da sua homilia, Mons. Shomali lembrou a anedota a que Mons. Pizzaballa fez referência na sua última meditação. Um homem moribundo é encontrado numa sarjeta pelas Missionárias da Caridade. As irmãs levam-no para casa, lavam-no, vestem-no e cuidam dele. As últimas palavras deste homem antes de morrer foram: “Vivi sempre como um miserável, morro e morro como um rei”.